sábado, 11 de julho de 2009

transversão #14

foi ótimo ver o kraftwerk ao vivo no just a fest em março. bem, só um integrante da formação original, ralf hütter, estava no palco, mas mesmo assim foi uma delícia ouvir músicas que povoam minha cabeça desde... meados dos anos 1980. não me interesso por música eletrônica, ouço muito pouco, mas era moleque no rio de janeiro e chapei quando ouvi o disco trans-europe express (capitol, 1977). o disco todo é um absurdo de bom e dá para notar como muitos dos seus climas foram incorporados pelo pop que veio depois (quem da minha época não lembra que "hall of mirrors" foi usada na propaganda do "saudoso" starsax, o calçado da geração jeans).

mas a minha preferida de todos os tempos desses alemães sempre foi "showroom dummies" (ou, originalmente, "schaufensterpuppen", mas vai conseguir pronunciar isso aí). o kraftwerk lançou versões em alemão e inglês, e acho que a primeira que escutei foi em inglês, mas escolhi a original pra começar os trabalhos. ah, o disco era do jamil, druso-mineiro gente boa e pai da minha querida prima marina, que também tinha o radio-activity (capitol, 1975).



muito bem. na mesma alemanha kraftwerkiana, mas em meados da década de 1990, o dj e produtor uwe schmidt (aka atom heart) montou o grupo señor coconut and his orchestra. diversão acelerada com músicas próprias e covers em ritmo latino e/ou funkeado. algumas coisas geniais surgiram de sua cachola bizarra e no segundo disco, el baile alemán (emperor norton, 2000), miraram no cancioneiro do kraftwerk e latinizaram tudo. taí a versão cha-cha-cha de "showroom dummies" que não me deixa mentir.



nos discos que sucederam a esse, o señor coconut foi mais fundo nessa onda de regravações. em fiesta songs (emperor norton, 2003) foi pra cima de sade ("smooth operator"), michael jackson ("beat it"), the doors ("rides on the storm"), jean-michel jarre ("oxygene pt. 1") e deep purple ("smoke on the water"). em seu mais recente disco, around the world (new state, 2008), os alvos foram tom jobim ("corcovado"), daft punk ("around the world"), eurythmics ("sweet dreams") e prince ("kiss"). mas aí é outra história.

atualização em 27 de julho porque um p.s. se faz necessário. é que tinha esquecido que fernanda e pil, a dupla brasiliense lucy and the popsonics, também fez a sua "showroom dummies". escute aí.

2 comentários:

Anônimo disse...

Pena que não deu para ver o show do KW. Eles realmente abriram o caminho para muita coisa que se vê por aí hoje. Precursores como eles, só outro conjunto alemão da mesma época prá mais antigo, o Tangerine Dream. Para quem gosta, vale a pena garimpar por aí. Tem uma coletânea (Tang-Go, 1990-200o, TDI Music, Germany) que representa bem a fase mais moderna deles.
Jamil (o druso-mineiro mencionado na notícia).

dafne sampaio disse...

hahahaha
quem é druso-mineiro sempre aparece.
abração jamil