quarta-feira, 10 de abril de 2019

para além das grades

taí outro daqueles frilas que aparecem do nada e se transformam rapidamente numa grata surpresa. Renata Assumpção, a amiga e colega dos tempos da comunicação digital na Prefeitura de São Paulo [gestão Haddad, claro], me chamou lá no Instituto Alana pra falar sobre a ideia de um livro que iria registrar o histórico habeas corpus coletivo para mães e crianças que o Alana e outras instituições emplacaram no STF no início de 2018. entre as muitas partes técnicas que deveriam entrar na publicação gostariam também de uma reportagem mais "humana", com personagem, etc. e foi assim que embarquei na aventura do livro 'Pela Liberdade – A História do Habeas Corpus Coletivo Para Mães e Crianças', e conheci e contei a história de Palloma.

realizado pelo Programa Prioridade Absoluta, do Instituto Alana, e pelo Coletivo de Advocacia em Direitos Humanos [CADhu], o livro está disponível para download gratuito [basta clicar na imagem abaixo], mas aqui segue meu texto-reportagem.



PARA ALÉM DAS GRADES

“De quem é essa coxinha? De quem é? A mamãe morde”. A mamãe, no caso, é Palloma Carolina Gonçalves Coelho, 34 anos. A coxinha gostosa é de seu segundo filho, Otto, que completou 7 meses em dezembro de 2018. Sua história poderia ser como a de muitas outras mulheres brasileiras se em 28 de dezembro de 2017 não tivesse sido presa. À época, Palloma estava grávida de 3 meses.

Nascida em Guarulhos, mas criada na Zona Leste de São Paulo, Palloma é a caçula de três filhos, perdeu o pai quanto tinha 4 anos e começou a trabalhar aos 13. Foi atendente em papelaria, pelejou em oficina de costura, vendeu imãs de geladeira na Rua 25 de Março, ganhou seu primeiro registro em carteira na C&A, foi bartender e secretária de firma de advocacia no Itaim Bibi. Em meio a isso tudo teve seu primeiro filho, Giulio, aos 21 anos, fruto de uma relação que não durou muito, ou melhor, durou quase nada. E a vida seguia tranquila nas lutas diárias de uma mulher trabalhadora.

Até que, em 2010, quando estava trabalhando como recepcionista em um salão de beleza no Jardim Anália Franco, a vida de Palloma virou de ponta cabeça. É que as funcionárias recebiam o salário em dinheiro vivo num determinado dia do mês, tal informação saiu do estabelecimento, chegou a ouvidos mal intencionados e,no dia 20 de novembro daquele ano, aconteceu um assalto. Por motivos legais e por ter apenas um lado da história, o evento pode ser resumido da seguinte forma: conhecidos/familiares de Palloma planejaram o assalto, ela ficou sabendo, não alertou os patrões, pois estavam sendo ameaçada, e acabou sendo acusada pelo Ministério Público de mandante do crime. O processo todo foi tão mal conduzido e investigado que é difícil imaginar como foi para frente, mas o fato é que Palloma foi sentenciada a 7 anos. “Sempre trabalhei para ter as minhas coisas. Sempre batalhei. Meu único crime foi a omissão”, afirmou, chorando aos soluços, em longa conversa.

Entre o assalto em novembro de 2010 e a prisão em dezembro de 2017, muita coisa aconteceu na vida de Palloma: deixou o filho mais velho para a mãe cuidar, morou um tempo em Ilha Bela, tentou a sorte no Rio de Janeiro, recorreu a diversas instâncias até chegar ao STF e, no dia do seu aniversário, em 2013, sofreu uma parada cardíaca ao saber que em uma das revisões sua sentença foi de 7 para 9 anos (em outra revisão, a pena voltou para 7 anos). “Nesses anos todos perdi trabalhos, perdi documentos, não posso votar, não tenho direito a nada. Anulei minha vida”, disse, ainda soluçando. Mas a pior parte de seu pesadelo ainda estava por vir.

A PRISÃO E O NASCIMENTO

Palloma já sabia que estava grávida de Otto quando voltou a São Paulo para reencontrar o filho mais velho, Giulio. Até hoje ela não sabe como aconteceu e quem foi, mas o fato é que uma denúncia anônima pela internet a fez ser presa no final de dezembro de 2017, poucos dias antes da passagem de ano.

“Pensei que fosse morrer. O policial disse que eu ia ficar aquela noite na 24° DP e que lá me deixariam ir ao banheiro das investigadoras porque estava grávida e não iam me deixar usar o corró. E que fariam de tudo pra me levar para o Morumbi no dia seguinte porque lá dava pra tomar banho, tinha cama, comida. Fui levada sem ver meu marido, meu filho, minha mãe, sem meus remédios. Agora me pergunta se, chegando lá, o carcereiro abriu a porta pr’eu usar o banheiro das investigadoras? Lá dentro tudo sujo, tudo cagado, mijado, com barata subindo do buraco que tem no chão. Eu gritava. E o carcereiro falava: ‘você faz xixi onde quiser ou você acha que vou ficar abrindo e fechando cela pra você, bandida!’ Já começou a falta de respeito aí”.

No dia seguinte, o marido de Palloma levou os remédios para pressão e coração, e ela foi transferida para outra DP, a do Morumbi, onde ficou de 29 de dezembro a 4 de janeiro de 2018. “Então fui transferida pro CDP do Butantã e lá me davam leite azedo. Se não fossem as outras presas me darem leite em pó eu, grávida de 3 pra 4 meses, iria continuar tomando leite azedo. Não sei que história é essa dos presos custarem 3 mil reais pro Estado, porque o leite é azedo, a comida fede, a carne vem estragada, e tem um monte de percevejos, banheiro com bicho saindo dos buracos. E quando você é grávida você não fica presa com outras presas comuns. Você fica num prédio amarelo chamado CR, Centro de Reabilitação. Fiquei presa com mulheres com tuberculose, sífilis, HIV, meninas grávidas que vieram da Cracolândia e gente louca. Antes tivesse ficado presa com as presas normais porque elas pelo menos dão comida, te ajudam”.

Medicações que grávidas costumam tomar, tal como sulfato ferroso, AS e ácido fólico, não eram fornecidas na detenção e a própria família de Palloma se encarregou de levar. Ela também precisava tomar Propanolol, um anti-hipertensivo indicado para o tratamento e prevenção do infarto do miocárdio e arritmias cardíacas, e esse o sistema ofereceu, só que a um preço muito caro. “Eu tinha que tomar 20 miligramas de manhã e 20 à noite. Ao invés de me darem dois comprimidos, de 10 miligramas cada, a enfermeira da unidade me prescreveu dois comprimidos de 40 miligramas pra manhã e outros dois pra noite. 160 miligramas ao total. Meu bebê ficou com taquicardia. Ele já estava com desenvolvimento abaixo da média por ser cardíaca e ter problemas de pressão e na tireoide. Comecei sentir muita dor no tórax”.

Foram cerca de dez dias tomando a dosagem errada, e quando Palloma foi se consultar com sua ginecologista, a médica ficou alarmada e disse que ela precisava ser internada imediatamente (falando nisso, a família precisou lutar judicialmente para que ela fosse atendida fora da detenção e mesmo assim ela era algemada para o transporte e ficava sem alimentação). “Ela até escreveu uma carta para o juiz falando do desenvolvimento, do sofrimento fetal, etc. Minha cardiologista também escreveu. Fui internada numa quarta e uma semana depois, em 13 de abril, recebi o benefício da prisão domiciliar, mas me deram com uma condição: 30 dias após o parto eu teria que me apresentar com o bebê na unidade”. Quando o inferno parecia ter acabado...

Mas pelo menos Palloma agora estava em casa com o marido, a mãe, o filho mais velho, e podendo se cuidar na reta final da gravidez, graças aos diagnósticos das médicas e à ação da Defensoria Pública. “No final de abril, começo de maio, comecei a sentir que minha barriga estava murchando e no ultrassom foi constatado que o líquido amniótico estava baixando. Se eu tivesse ficado presa meu filho teria morrido na minha barriga porque minha bolsa secou. Minha ginecologista até disse que, segundo a experiência dela, isso aconteceu por causa do erro do Propanolol”. Palloma estava de 35 semanas, mas sua barriga parecia de 27 semanas, então decidiram por adiantar o nascimento de Otto em quase um mês.

“Otto estava previsto pra nascer 20 de junho, não 15 de maio, e por ser prematuro ainda ficou internado 17 dias numa UTI Neonatal, entubado. E eu pensando o tempo todo que deveria voltar à prisão com aquele bebê tão frágil. Imagine o pesadelo que enfrentei”. Com ajuda da família e da Defensoria Pública, Palloma conseguiu protelar o retorno à prisão – afinal, sua sentença já era em regime semi-aberto – para cuidar de Otto.

“Cadeia não é pra ser boa, concordo. Mas precisa reeducar e não castigar mais. No caso de grávidas, por exemplo. Tinha uma no meu quarto que enquanto ela não desmaiou, eles não a levaram pra ganhar bebê. Teve outra, moradora de rua, que foi levada para um hospital em Osasco, mas não tinham vaga e a mandaram de volta praticamente com o bebê saindo. Ele nasceu depois com sífilis porque não teve tratamento. Fora que não mandam as roupas que são doadas pra Casa Mãe, e não repassam os leites que são doados. Tudo isso que estou falando eu vi, não me contaram. É tudo muito desumano”.

HABEAS CORPUS COLETIVO

No início de fevereiro de 2018, enquanto Palloma estava em meio ao seu inferno, Jéssica Monteiro entrou no seu. Moradora de uma ocupação no Centro de São Paulo, a jovem de 24 anos estava grávida de quase 9 meses, além de ter um filho de 3 anos, quando policiais a prenderam em flagrante sob acusação de tráfico de drogas, pois encontraram 90g de maconha na ocupação. Logo que chegou ao Distrito Policial começou a sentir contrações e no dia seguinte, 11 de fevereiro, foi levada ao hospital e assim nasceu Enrico. Dois dias depois, a Justiça de São Paulo a manteve presa com seu filho recém-nascido por considerá-la de “alta periculosidade”.

Imagens de Jéssica sentada, atrás das grades, em um colchão no chão com o pequeno Enrico no colo foram parar nos jornais e TVs. A repercussão mobilizou a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil que conseguiu um habeas corpus garantindo prisão domiciliar a Jéssica enquanto espera o julgamento.


Toda essa tragédia durou longos seis dias, e pode ter ajudado a sensibilizar o Supremo Tribunal Federal. Afinal, em 20 de fevereiro, poucos dias depois da soltura de Jéssica, a 2ª Turma do STF julgou habeas corpus coletivo impetrado pelo Coletivo de Advogados em Direitos Humanos (CADHu) para que mulheres presas provisoriamente  e adolescentes internadas que estejam grávidas ou tenham filhos de até 12 anos tenham direito a prisão domiciliar (como, inclusive, já estabelece o Marco Legal da Primeira Infância).

Então, pela primeira vez em sua história, o STF reconheceu um habeas corpus coletivo. E ainda por cima atendeu o pedido quase integralmente (colocaram restrições em relação à natureza do crime). No voto de 34 páginas, o ministro e relator do processo Ricardo Lewandowski se mostrou sensível “a duríssima - e fragorosamente inconstitucional - realidade em que vivem as mulheres presas, a qual já comportou partos em solitárias sem nenhuma assistência médica ou com a parturiente algemada ou, ainda, sem a comunicação e presença de familiares”. E o ministro segue em choque com todas as informações, relatos e números que lhe foram entregues, afinal “a isso soma-se a completa ausência de cuidado pré-natal (acarretando a transmissão evitável de doenças graves aos filhos, como sífilis, por exemplo), a falta de escolta para levar as gestantes a consultas médicas, não sendo raros partos em celas, corredores ou nos pátios das prisões, sem contar os abusos no ambiente hospitalar, o isolamento, a ociosidade, o afastamento abrupto de mães e filhos, a manutenção das crianças em celas, dentre outras atrocidades. Tudo isso de forma absolutamente incompatível com os avanços civilizatórios que se espera tenham se concretizado neste século XXI”.

Em seu voto, Lewandowski afirma que tal decisão reforça “a importância de, num crescente cenário de uma maior igualdade de gênero, se conferir atenção especial à saúde reprodutiva das mulheres”. A estimativa é que a decisão possa beneficiar cerca de 4500 mulheres (sendo que 622 grávidas/lactantes), aproximadamente 10% do total de presas do Brasil, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCrim).

São Jéssicas, Valérias, Desirées, Jaquelinas, Cláudias, Beneditas, Marias, muitas Marias, que não sentirão na pele o que é ter sua pena transferida, pelo Estado, para o filho; que poderão cumprir sua pena de forma um pouco mais digna. Quer dizer, seria assim se na teoria a prática não fosse outra; afinal, inúmeros Tribunais de Justiça espalhados pelo Brasil continuam se recusando a seguir o Marco Legal da Primeira Infância e a decisão do STF.

“Diversos juízes têm reiteradamente negado a substituição da prisão preventiva para prisão domiciliar alegando: a) ter sido o crime praticado com grave ameaça ou violência; b) ser o tráfico um crime grave; c) ordem pública; etc. Tendo em vista essas negativas genéricas reiteradas, o Ministro Lewandowski proferiu nova decisão informando que o fato de haver sentença condenatória não impedia a substituição [da prisão preventiva para prisão domiciliar], bem como o fato de a infração ser caracterizada como tráfico de drogas, não impedia por si só a liberdade entre outras ponderações”, explicou Leonardo Biagioni de Lima, da Defensoria Pública de São Paulo.

Otto e Palloma, livres

AGUARDANDO A JUSTIÇA

O habeas corpus coletivo não se aplica ao caso de Palloma, pois a sentença que recebeu é definitiva. O pesadelo ainda não acabou, mas pelo menos ela está aguardando seu desfecho em liberdade e com forças para retomar a vida própria. E, melhor de tudo, com Otto nos braços. Só vai realmente acordar quando souber se precisará cumprir o restante da pena – algo em torno de 60 dias – encarcerada ou não. Deseja apenas estar quites com o sistema e pronto, ponto final. É nisso que pensa.

“Por ter nascido prematuro, Otto tem o pulmão meio fragilizado, perde fôlego quando chora. Fora isso está bem de saúde, é esperto, safadinho e come de tudo. Deus permitiu que entrasse num vale de sombras com um anjo dentro da minha barriga. Se não fosse meu filho estaria naquele inferno até hoje. Otto é minha vitória e não existe vitória sem luta né. Só que quero voltar a sonhar grande”. Palloma não quer mais viver de migalhas, tal qual Jéssica e tantas outras mães que lutam pelo melhor para si e para os filhos, independente de erros ou injustiças, livres de grades.

p.s.: esse texto foi entregue em janeiro e de lá pra cá, Palloma está definitivamente livre.

domingo, 17 de março de 2019

os sons da monga

Tem documentarista que sente calafrios com a possibilidade de trilha sonora em seus filmes. Jean Rouch e Eduardo Coutinho que o digam. Pra essa turma, o lance é o som direto, o que importa é o que a câmera registra e apenas o que a câmera registra. Nada de comentar, ilustrar ou acompanhar musicalmente as imagens. Tem também documentarista que não vê problema algum em promover diálogos-choque entre música e imagem, são novas e outras camadas de significados possíveis. Exemplos não faltam, mas Errol Morris e Godfrey Reggio fizeram história em suas colaborações com o compositor Philip Glass.

Cris Siqueira está com esta segunda turma. Seu filme de estreia, Monga [ver datas, horários e locais de exibição ao fim do texto], tem uma instigante trilha sonora praticamente toda original alternando faixas instrumentais e canções do punk rock ao funk. São 11 músicas que fazem cama, mesa e banho para as memórias e histórias de uma lendária atração circense que nasceu no Brasil e foi parar nos Estados Unidos. Em Monga, imagem e música andam juntas, conversam, brigam, dão um tempo, enfim, se entrelaçam de muitas formas.

E não poderia ser diferente, afinal Cris se formou dirigindo programas na MTV Brasil enquanto tinha uma banda pra chamar de sua em São Paulo, a barulhenta e divertida Go Hopey [montou outras bandas também em Milwaukee, EUA, onde mora desde 2004].

Lançamento doc MONGA em SP from Cris Siqueira on Vimeo.

Tal qual a trajetória transcontinental da Monga circense, Cris Siqueira fez da trilha de seu filme uma ponte entre Brasil e Estados Unidos, São Paulo e Milwaukee/Chicago. E, por ser uma produção radicalmente independente bancada às próprias custas S/A, as músicas são também uma carinhosa ação entre amigas(os). Então, vamos a elas.

arte de Silvana Mello e Mica O'Herlihy para o cartaz do filme

AS INSTRUMENTAIS

Coincidência ou não, quatro faixas instrumentais da trilha de Monga foram compostas por bateristas. Mauricio Takara, integrante do Hurtmold e do São Paulo Underground [além de trabalhos solo], assina “Monga”, uma intrigante música tribal levada em programações de cuíca e tamborim. John Herndon, do Tortoise, é autor da espacial e climática "Ape Girl Instrumental"



Brock Gourlie, marido de Cris e baterista da Scrimshaw [entre outros projetos], compôs a curta e intensa “Capy Theme”, faixa que dá um pouco do clima, humor e velocidade de todo o filme, e a experimental e envolvente "Springtube and Casio" [em parceria com Anton Sieger, outro integrante da Scrimshaw].



A quinta música instrumental da trilha é anterior ao filme. "Jane Birkin", uma surf music distorcida, é de um dos muitos projetos musicais de Helena Fagundes, o Ex Naive. Helena é amiga de longa data de Cris Siqueira e também assina a edição de som de Monga.


OS ROCKS

Voltando à Helena Fagundes, ela é metade do projeto Clementine [a outra é a portuguesa Shelley Barradas]. As duas enquanto Clementine assinam a veloz "Ape Girl", pós punk à la Sonic Youth que serve de aviso para os perigos da Monga, afinal de contas ela definitivamente não é uma garota como outra qualquer.


"Go Monga" tem a mesma sonoridade de “Ape Girl”, mas sua letra é delirante e trash como um filme de terror B dos anos 1950. Fruto de encontro de amigos em um estúdio em Mogi das Cruzes, “Go Monga” é Eliane Testone [Repentina], Helena Duarte e Danilo Sevali [Hierofante Púrpura} e a própria Cris Siqueira expandindo musicalmente a mitologia da Monga.


Enquanto isso, "Lowland Gorila", de Jordan Davis [Space Raft/Mystery Girls], é a que dá o tom predominante dessas histórias de muitas Mongas. Tem algo de romântico, um tanto de nostálgico, pitadas de lamento, mas principalmente delicadeza nas quatro diferentes versões de "Lowland" presentes no filme.


Outras duas músicas não inéditas estão entre os rocks: "Walt Disney Jr", da Scrimshaw, parece que veio de uma animação underground e casa perfeitamente com o clima da Monga; já "Just What You Need", do Resist Her Transistor [uma das bandas que Cris fez parte nos EUA], é outro punk rock como manda o figurino, rápido e cru.



E O FUNK

Por ultimo, o inusitado hit da trilha: "Calma Monga", ou o encontro de uma das rappers brasileiras, a paulistana Lurdez da Luz, com um veterano produtor do funk carioca, o DJ Zé Colméia. Sob a batida de um pancadão clássico, Lurdez encarna duplo papel, tanto de funkeira bilíngue quanto de mestre de cerimônias do espetáculo.


EXIBIÇÕES DE MONGA

CineSesc [Rua Augusta, 2075]
dia 18, 21h - Exibição do filme + bate papo de Cris Siqueira com a jornalista Renata Simões

Matilha Cultural [Rua Rêgo Freitas, 542]
dia 20, 19h - Festa de lançamento
dia 21, 20h
dia 22, 19h
dia 23, 19h

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

a maturidade delirante de miguel falabella

em um dos poucos frilas que peguei em 2018 tive a oportunidade de entrevistar Miguel Falabella. o chamado veio da amiga Tatiana Engelbrecht que estava editando a revista anual do Banco Daycoval, um dos patrocinadores do segundo longa de Falabella, 'Veneza'. em quase uma hora de boa e franca conversa, o ator, diretor, roteirista e produtor falou sobre os delírios maduros de sua nova empreitada no cinema, as lembranças da série 'Pé na Cova' e suas escolhas teatrais.


SOBRE HUMOR, DELÍRIOS E TOLERÂNCIA

Entre musicais nos palcos e séries malucas na TV, Miguel Falabella tirou um tempinho para dirigir seu segundo filme, o doce e melancólico ‘Veneza’

Miguel Falabella é do tipo de artista que não para, mas isso todo mundo está careca de saber. Inclusive ele, que raspou a cabeleira para interpretar o milionário Oliver Warbucks em ‘Annie’, musical da Broadway em cartaz até o fim do ano em São Paulo que marca a primeira vez que trabalha com a atriz e amiga Ingrid Guimarães. Mas algo mais profundo acontece no coração de Falabella entre as muitas aulas de canto e dança necessárias para enfrentar tal maratona musical. É que o ator, diretor, dramaturgo e produtor finalizou seu segundo longa, o querido e pessoal ‘Veneza’.

Pouco mais de dez anos após sua estreia nos cinemas na comédia ‘Polaroides Urbanas’, o carioca mudou de registro e abraçou o fantástico para contar a história de Gringa – interpretada pela espanhola Carmen Maura, dos filmes de Pedro Almodóvar -, uma cafetina que, velha, doente e cega, decide acertar as contas com seu grande e único amor que, em um distante passado, foi roubado e enganado por ela. Aí que entram suas “meninas” (Dira Paes, Daniele Winits e Carol Castro) e um fiel cliente (Du Moscovis), todos dispostos a ajudá-la. Mas logo descobrem que não conseguirão dinheiro para a viagem e, com ajuda de um circo, recriam a Veneza dos sonhos de Gringa.

parte do elenco de 'Veneza' com Carmen Maura, Dira Paes, 
Du Moscovis, Carol Castro, Danielle Winits, André Mattos, etc

“‘Veneza’ é um filme que eu queria muito fazer. É um filme que fala ao mundo e, ao mesmo, é extremamente latino. Porque sempre fui fascinado pelo realismo mágico, que é uma tradição muito forte na América Latina. Acho que como todos nós somos irmanados por tragédias políticas, sangue, injustiça e crueldade, a fuga pro mágico, pro delírio, é um traço muito forte que nos une. Acho encantador esse poder do ser humano de transformar o seu mundo através do sonho”, explicou Falabella em seu apartamento no Jardins, São Paulo, pouco antes de encarar outra aula de canto. “Fiz questão de criar uma espécie de limbo no filme. Na minha cabeça todas aquelas pessoas estão mortas, estão todos vagando. Não se sabe que época aquilo se passa. É uma coisa indefinida, um delírio mesmo. É, literalmente, uma viagem fantástica. E muito tocante. As pessoas que já assistiram ficam muito tocadas”.

Todo filmado em apenas 28 dias, sendo que 25 em Montevidéu e 3 em Veneza, o longa é baseado em uma peça curta do argentino Jorge Accame que já tinha sido expandida por Falabella no teatro em 2003 com Laura Cardoso como protagonista. “Desde a montagem teatral pensei na possibilidade de transformar ‘Veneza’ em filme. Achava que a peça não chegava onde podia chegar. Mas precisei um filme antes pra ver se sabia fazer cinema. Achei que saiu direito e que poderia fazer voos maiores. Mas a minha vida é difícil, muita coisa, muita TV, muito teatro. E é difícil e caro fazer cinema no Brasil”.

Du Moscovis, Carmen Maura, Dira Paes e André Mattos

Ele não está brincando quando diz “muita TV, muito teatro”. Entre os dez anos que separam ‘Polaroides Urbanas’ e ‘Veneza’, Falabella dirigiu, escreveu e/ou produziu cerca de dezesseis peças (sucessos como ‘Cabaret’, ‘O Homem de La Mancha’, ‘A Gaiola das Loucas’, ‘Alô, Dolly’ e ‘Hebe, o Musical’), e na TV escreveu duas novelas (‘Negócio da China’ e ‘Aquele Beijo’) e cinco séries (‘Toma Lá, Dá Cá’, ‘A Vida Alheia’, ‘Sexo e as Negas’, ‘Brasil à Bordo’ e ‘Pé na Cova’).

A série ‘Pé na Cova’, aliás, pode ser considerada um prenúncio de ‘Veneza’ com sua mistura de humor, afeto, surrealismo e melancolia. “O ‘Pé na Cova’ sou eu, então um homem de 50 anos, que olha pra finitude. É uma coisa da maturidade. Acho que o Ruço, o protagonista que interpretei na série, é quem eu gostaria de ser. Um homem careta do subúrbio que aceitava aquele bando de loucos porque costurava tudo com amor. O Ruço é o meu objetivo de vida como ser humano”.

Falabella faz então uma pausa reflexiva e relembra da amiga, parceira e ídola Marília Pera (1943-2015), que interpretou Darlene, a ex-mulher alcóolatra de Ruço, em seu último trabalho na TV. “Marília tão maravilhosa, que categoria”. E a pausa vira silêncio, enquanto Falabella passa a mão na cabeça careca e olha para o infinito da janela de sua sala. Mas o silêncio não dura muito, afinal o show tem que continuar.

Miguel Falabella e Marília Pera em cena de 'Pé na Cova'

“Do mesmo jeito que tratei aquela gente perdida de ‘Pé na Cova’, olho pras prostitutas de ‘Veneza’ de uma forma muito especial. Poderia olhá-las de uma maneira crua, mas prefiro investi-las de grandeza. Isso é uma escolha minha, é como olho pros personagens. Sempre quis fazer uma Comédia da Tolerância onde todos são bem vindos. Uma vez um porteiro da Globo me falou uma coisa que tomei como grande elogio: “Seu Falabella, sempre que aparece alguém muito esquisito eu sei que é pra programa seu”. Fiquei muito orgulhoso com esse comentário porque quando você tem efetivamente afeto pelas pessoas, o público reconhece”.

E esse reconhecimento do público é um dos maiores estimulantes de Falabella que, desde que se entende como artista, sempre quis ser popular. “Fui criado numa família meio careta de intelectuais, uma gente bem elitista. Minha mãe era discípula de Sartre e minha casa era frequentada por intelectuais, então desde muito novo percebia esse abismo entre a minha casa e o resto do mundo. Então decidi que seria um artista popular. Só que comecei a dirigir teatro com ‘Emily’ (sobre a poeta Emily Dickinson, em 1984), ganhei prêmios e prestígio, e o pessoal não me perdoou porque depois fui fazer besteirol. ‘Como ele larga a grande arte do teatro pra fazer isso?’. Ficaram mordidos”. 

Ainda hoje, Falabella diz sentir preconceito por fazer sucesso, por ser popular, mas faz tempo que deixou de se importar. “Tô numa fase bacana. Menos angústia, menos insônia. O que virá, virá. Eu vou semeando, algumas germinam, outras não, e tudo bem”. Certo mesmo é que ele estará em cartaz com o musical ‘Annie’, enquanto desenvolve para TV uma série chamada ‘Eu, Minha Avó e a Boi’, baseada numa história que correu pela internet sobre a rivalidade entre duas senhoras, e sonha com seu terceiro longa (uma adaptação da peça ‘O Som e a Sílaba’ que montou em 2017 com Alessandra Maestrini). Tem também o breve retorno de seu lendário Caco Antibes em Sai de baixo, o Filme, mas sobre isso prefere manter segredo.

Acima de tudo, Falabella reservou 2019 para levar ‘Veneza’ por festivais de cinema mundo afora, afinal a Veneza dos sonhos da Gringa é também de Falabella e de quem mais embarcar nessa viagem fantástica.

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

53 músicas brasileiras de 2018

dos 60 discos brasileiros de 2018, 36 emplacaram uma faixa na lista de músicas do ano. foi bem difícil, por exemplo, escolher uma música de discos como Taurina da Anelis Assumpção, Ultrassom do Edgar, Iaiá e os Erês da Iara Rennó, Desastre Solar da Laura Lavieri, Precariado do Wado, Avante Delírio do Saulo Duarte, Oferenda do Café Preto, Carne de Pescoço do Heavy Baile (mas com participação do BaianaSystem, “Ziquizira” acabou virando barbada), Afastamento do Juliano Gauche (só que a épica “Silmar Saraiva” é muito foda) e Amor é Isso do Erasmo Carlos (mas “Convite Para Nascer de Novo” me dá nó na garganta toda vez que ouço).

Em outros casos foi fácil: “Caixa Postal” do ÀTTØØXXÁ é pop nacional à perfeição, tal qual “Problema Seu” da Pabblo Vittar; “Bixinho” de Duda Beat é delicioso brega urbano indie; “Tropical” do SDDS é um delírio tropicalista eletrônico; “Banho”, composição de Tulipa Ruiz, é defendida por Elza Soares com força à flor da pele; e a doce “Fica Tudo Bem” é encontro inusitado e harmonioso entre Silva e Anitta (a hitmaker onipresente em 2017 andou trabalhando cada vez mais sua carreira internacional e quase só lançou reggaetons genéricos).

já no bloco de músicas single saltam os funks nacionais com um pouco da diversidade sonora de Estado para Estado: do Rio de Janeiro, a nova velocidade de 150 bpm de MC Kevin o Chris e MC Rebecca e as produções esmeradas de Omulu e Pankadon; de Pernambuco, o bregafunk debochado de MC Loma e as Gêmeas Lacração; de São Paulo, a diversidade que vai do bom humor de Jerry Smith ao romantismo de MC Kekel e MC Rita; e de Belo Horizonte, as viagens melódicas de MC L da Vinte, MC Gury e MC Rick.

e tem rap, claro. desde umas das MCs preferidas da casa, a jovem Ju Dorotea, até o veterano Criolo, passando pelo cearense Nego Gallo (ex-Costa a Costa) e os paulistanos Amiri, Rashid e, obviamente, Rincon Sapiência que continua trabalhando e lançando músicas sem parar.

finalizando os destaques da lista, a sempre excelente MC Tha. se ela ainda não lançou um disco cheio desde 2014, quando apareceu sua primeira música, os não muitos singles que soltou de lá pra cá são todos de altíssimo nível (“Pra Você” e “Bonde da Pantera” já estiveram por aqui). no funk da paulistana cabe de tudo e é sofisticado tanto nos beats quanto nas letras. “Valente” é a prova mais recente do seu talento. outra prova é a linda linda “Céu Azul”, dueto de MC Tha com o amigo e produtor Jaloo.

seguem então playlists no YouTube e Spotify com todas as 53 músicas. a única diferença entre as playlists é Rincon Sapiência, afinal "Mete Dança" não tem (ainda) no Spotify, portanto entrou "Placo".




e aqui a lista completa com link direto, no YouTube, pra cada uma delas, afinal tem uns videos bem massa.


Anelis Assumpção - “Segunda a Sexta
Arnaldo Antunes - “Quero Ver Você
ÀTTØØXXÁ - “Caixa Postal” VIDEO
Baco Exu do Blues - “Queima Minha Pele” [part. Tim Bernardes]
Bixiga 70 - “Quebra-Cabeça” VIDEO
Bk’ - “Deus do Furdunço” VIDEO
Cacá Machado - “Dança
Café Preto - “120 Km” [part. Spok] VIDEO
Cordel do Fogo Encantado - “Liberdade, a Filha do Vento” VIDEO
Criolo - “Boca de Lobo” VIDEO
Criolo, The Abyssinians, BiD & Fernando Nunes - “Cigano
Daniel Groove - “Seu Amor” VIDEO
Diomedes Chinaski - “Comunista Rico” VIDEO
Djonga - “A Música da Mãe” VIDEO
Duda Beat - “Bixinho” VIDEO
Edgar - “O Dia é Meu” [part. Céu]
Elza Soares - “Banho” [part. Ilu Obá de Min]
Erasmo Carlos - “Convite Para Nascer de Novo” VIDEO
Heavy Baile - “Ziquizira” [part. BaianaSystem]
Iara Rennó & Iaiá e os Erês - “Lá no Céu” [part. Moreno Veloso]
Jaloo & MC Tha - “Céu Azul” VIDEO
Jerry Smith - “Vou Falar Pra Tu” VIDEO
Ju Dorotea - “Leão” VIDEO
Juliano Gauche - “Silmar Saraiva
Kassin - “Enquanto Desaba o Mundo
Laura Lavieri - “Me Sinto Bem
Luiza Lian - “Vem Dizer Tchau
Mahmundi - “Qual é a Sua?” VIDEO
Marcelo D2 - “Resistência Cultural” [part. Gilberto Gil e Marcelo Jeneci]
MC Kekel & MC Rita - “Amor de Verdade” VIDEO
MC Kevin o Chris - “Tu Tá Na Gaiola (Baile da Penha)
MC L da Vinte & MC Gury - “Parado no Bailão” VIDEO
MC Loma e as Gêmeas Lacração - “Envolvimento” VIDEO
MC Rebecca - “Ao Som do 150” VIDEO
MC Rick - “Cobiçadas do Twitter” VIDEO
MC Tha - “Valente” VIDEO
Mestre Anderson Miguel - “O Cirandeiro” [part. Juçara Marçal]
Mundo Livre S/A - “Bailei de Calção um Zero a Mais
Nego Gallo - “Downtown
Omulu - “Paredão
Pabllo Vittar - “Problema Seu” VIDEO
Pankadon - “Segredinho” VIDEO
Rashid - “Interior” [part. Rapadura] VIDEO
Rincon Sapiência - “Mete Dança” VIDEO
Saulo Duarte - “Flor do Sonho
SDDS - “Tropical
Silva - “Fica Tudo Bem” [part. Anitta] VIDEO
Solveris - “Vida Clássica” VIDEO
The Universal Mauricio Orquestra - “Pife do Mau
Verônica Ferriani - “Desde que o Fracasso lhe Subiu a Cabeça
Wado - “Tudo Salta” [part. Momo]
Xamã - “44 Problems” [part. Major RD]

domingo, 30 de dezembro de 2018

53 músicas gringas de 2018

dos 60 discos gringos de 2018, 39 emplacaram uma faixa na lista de músicas do ano. como sempre acontece quando o disco é muito foda fica difícil escolher apenas uma música. isso foi muito verdade com os discos de Janelle Monáe, J. Cole, Leikeli47, Drake, Chancha Via Circuito, David Byrne, Bishop Nehru, Bacao Rhythm & Steel Band, Eminem e The Magnificent Tape Band.

em outros casos, uma música rapidamente se destacou do forte conjunto. foi o caso de “Apeshit” de Beyoncé e Jay-Z, “Kong” de Neneh Cherry, “Adam and Eve” de Nas, “Deep End” de Lykke Li, “She Said” do projeto Everything is Recorded, “Passat & Bovary” de Baloji, “Down” das irmãs Chloe e Halle, Malamente de Rosália, “Blaxploitation” de Noname, “Nont for Sale” de Sudan Archives, “FUN!” de Vince Staples e, acima de tudo, “Merrie Land” do The Good, The Bad & The Queen (que música linda da porra, senhoras e senhores, que música linda).

então na lista apareceram também um punhado de músicas sensacionais que ou são singles ou estão em discos que por pouco não entraram na lista final. tem Nigéria nas figuras de Starboy/Wizkid e Olamide, África do Sul com Muzi/Okmalumkoolkat e Cabo Verde com Mayra Andrade. é um pouco de toda força e diversidade da música africana contemporânea. Olamide e Muzi são artistas particularmente interessantes e foi difícil escolher apenas uma música deles.

tem uma porrada de sons ingleses, invariavelmente negros, das rappers Little Simz, Lady Leshurr e IAMDDB, do veterano Skepta e o delicioso ar jamaicano de Hollie Cook. e ainda o soul eletrônico do Nightmares on Wax e do Jungle.

dos EUA, a sensacional “Bubblin” de Anderson Paak (faixa que saiu como single e não entrou no disco Oxnard) e as deliciosas “Spaceships” do Tank and the Bangas e “After the Storm” de Kali Uchis com participações de Tyler the Creator e Bootsy Collins. por último, umas das músicas mais poderosas dos últimos tempos e definidora do clima geral de 2018: “This is America” do Childish Gambino, persona musical do ator, roteirista e diretor Donald Glover.

seguem então playlists no YouTube e Spotify com todas as 53 músicas...





e aqui a lista completa com link direto, no YouTube, pra cada uma delas, afinal tem uns videos bem massa.

Anderson Paak - “Bubblin” VIDEO
August Greene - “No Apologies” AO VIVO
Bacao Rhythm & Steel Band - “Burn
Baloji - “Passat & Bovary
Batuk - “Move!” VIDEP
Beyoncé & Jay-Z (The Carters) - “Apeshit” VIDEO
Bishop Nehru - “Get Away
Chancha Via Circuito - “Ilaló” [feat. Mateo Kingman] VIDEO
Childish Gambino - “This Is America” VIDEO
Chloe x Halle - “Down” AO VIVO
David Byrne - “Everybody's Coming To My House” VIDEO
Drake - “Nice for What” VIDEO
Eminem - “Venom” VIDEO
Everything is Recorded - “She Said” [feat. Obongjayar & Kamasi Washington] VIDEO
Gorillaz - “Tranz
Hollie Cook - “Ghostly Fading
IAMDDB - “Drippy” VIDEO
J. Cole - “Photograph” 
Jack White - “Corporation” VIDEO
Janelle Monáe - “I Like That” VIDEO
Jungle - “Happy Man” VIDEO
Justin Timberlake - “Morning Light” [feat. Alicia Keys]
Kali Uchis - “After the Storm” [feat. Tyler the Creator & Bootsy Collins] VIDEO
Kamasi Washington - “Street Fighter Mas” VIDEO
Kanye West - “Yikes
Lady Leshurr - “Black Madonna” [feat. Mr Eazi] VIDEO
Leikeli47 - “Droppin
Lily Allen - “Waste” [feat. Lady Chann]
Little Dragon - “Lover Chanting
Little Simz - “Boss” VIDEO
Lykke Li - “Deep End” 
Mayra Andrade - “Afeto” VIDEO
Muzi - “Nu Day” [feat. Okmalumkoolkat] VIDEO
Nas - “Adam and Eve” [feat. The-Dream] AO VIVO
Neneh Cherry - “Kong” VIDEO
Nightmares on Wax - “Citizen Kane” [feat. Mozez & Allan Kingdom]
Noname - “Blaxploitation” VIDEO
Olamide - “Motigbana” VIDEO
Orquestra Akokán - “Otro Nível
Princess Nokia - “Your Eyes Are Bleeding” VIDEO
Pusha T - “If You Know You Know” VIDEO
Rosalía - “Malamente (Cap. 1: Augurio)” VIDEO
Skepta - “Pure Water” VIDEO
Sons of Kemet - “My Queen Is Doreen Lawrence
Starboy - “Soco” [feat. Terri, Spotless, Ceeza Milli & Wizkid] VIDEO
Sudan Archives - “Nont for Sale” VIDEO
Tank and the Bangas - “Spaceships” VIDEO
The Good, The Bad & The Queen - “Merrie Land” VIDEO
The Internet - “Beat Goes On” 
The Magnificent Tape Band - “Not That Kind of Woman” [feat. Rachel Modest]
Vaudou Game - “Tassi
Vince Staples - “FUN!” VIDEO
Young Fathers - “In My View

sábado, 29 de dezembro de 2018

60 discos brasileiros de 2018

após os discos gringos é a vez do produto interno bruto e esse ano a nacional também está um pouco menor. como sempre destacarei, em blocos, os preferidos pessoais dentre a lista maior de 60 lançamentos.

a criação de canções, essa instituição brasileira, continua muito bem obrigado. de São Paulo vieram Anelis Assumpção com seu Taurina e Maurício Pereira e o Outono no Sudeste. Anelis vem criando com muito tato e discrição uma belíssima carreira, autoral e pop, e Taurina talvez seja o melhor retrato (até agora) do muito que é capaz (o pai Itamar deve estar tão orgulhoso). enquanto isso, Pereira, velho conhecido da casa, segue mestre total da crônica urbana paulistana e de suas cruas delicadezas.



nesse bloco de canções as surpresas vieram do capixaba Juliano Gauche e do pernambucano Mestre Anderson Miguel. Gauche é artista que acompanho faz um tempinho e até já apareceu em listas passadas, mas nunca me pegou de jeito, faltava alguma coisa. Afastamento, que produziu em parceria com Fernando Catatau, é um disco poderoso, romântico, pop e psicodélico. Anderson Miguel, por outro lado, está no registro da música popular tradicional da Zona da Mata pernambucana, mas a produção de Siba, as participações de Juçara Marçal, Beto Villares e Jorge Du Peixe e sua própria juventude (o mestre tem apenas 22 anos!) fazem de Sonorosa uma moderna revisão das próprias raízes.

então vem o rap, o gênero mais inquieto, inclusivo, diverso e punk de todos (tanto aqui quanto no resto do mundo). nessa seara o baiano Baco Exu do Blues está dominando os holofotes e listas do ano com seu Bluesman, disco mais complexo em sonoridades que sua estreia em Esú, mas também com mais autoreferências, o que pode ser um problema no futuro (até quando se sustenta um universo umbigo?). vale também destacar a malandragem mineira de Djonga em O Menino que Queria Ser Deus, a psicodelia futurista de Edgar em Ultrassom (produzido por Pupillo), as jovens misturas do grupo capixaba Solveris em Vida Clássica e a ousadia conceitual e produção esmerada do veterano Marcelo D2 em Amar é Para os Fortes.


foto de João Wainer na capa de Bluesman de Baco Exu do Blues

e tem medalhões também. Caetano convocou os filhos Moreno, Zeca e Tom Veloso para uma série de shows e daí surgiu o belíssimo Ofertório, cujo repertório costura habilmente produções dos filhos com alguns clássicos do pai. tal qual Caetano, Elza Soares continua cercada de outras gerações (mais novas, claro) e interesse afiado no presente, daí que seu mais recente Deus é Mulher pode não ter o peso e a surpresa do antecessor A Mulher do Fim do Mundo, mas Elza tem o que dizer e cantar e muita força em tudo que faz. e não é que Erasmo Carlos fez praticamente o mesmo no belo Amor é Isso. sob produção de Pupillo, o Tremendão se reuniu a outras gerações tanto nas composições quanto em participações [Emicida, Marcelo Camelo, Nando Reis, Marisa Monte, etc], mas todos e todas lidando com o romantismo gigante gentil que é a sua marca. nesse bloco, menção honrosa para o excelente Jah-Van - Djavan Goes Jamaica, produção de BiD e Fernando Nunes que pegou parte do cancioneiro de Djavan e injetou reggaes, skas e dubs com auxílio de figuras como Criolo, Fernanda Abreu, Arnaldo Antunes, Rincon Sapiência, Zeca Baleiro, Black Alien, Ivete Sangalo e Seu Jorge.



da música popular brasileira ao pop propriamente dito é um pulo e aqui vale destacar o finíssimo pagodão eletrônico soul do baiano ÀTTØØXXÁ em Luvbox, o pancadão veloz do Heavy Baile em Carne de Pescoço e as diversas faces do pop brasileiro de Iza em Dona de Mim e Pabblo Vittar em Não Para Não (que mesmo mais estudado e menos espontâneo que o anterior, Vai Passar Mal, é bem acima da média).



chegando ao fim dos destaques, é a hora dos instrumentais. 2018 trouxe mais um disco potente do grupo paulistano Bixiga 70 em Quebra Cabeça, o retorno das experimentações dos pernambucanos d’A Banda de Joseph Tourton em A Banda de Joseph Tourton e a diversão multigênero do projeto The Universal Mauricio Orchestra, que reuniu pela primeira vez uma ruma de Mauricios (tem Mauricio Pereira e Mauricio Fleury, do Bixiga 70, e ainda Mauricio Badê, Mauricio Bussab, Mauricio Tagliari e Mauricio Takara).


fechando com chave de ouro os destaques da lista, dois discos “infantis” muito especiais: Guitarrada para Bebês, uma produção do guitarrista Félix Robatto (La Pupuña e Gaby Amarantos) que refaz hits paraenses em tom doce de caixa de música, e Iaiá e Os Erês, no qual Iara Rennó cria todo um mundo mágico com influências negras e indígenas, participações de Moreno Veloso, Andreia Dias e Luz Marina, e canções feitas em parcerias com crianças.



segue então a lista completa e em ordem alfabética com links para os discos inteiros no Spotify ou YouTube.

A Banda de Joseph Tourton - A Banda de Joseph Tourton
A Banda dos Corações Partidos - Desamor
Alice Caymmi - Alice
André Abujamra - Omindá
Anelis Assumpção - Taurina
Arnaldo Antunes - RSTUVXZ
ÀTTØØXXÁ - Luvbox
Baco Exu do Blues - Bluesman
Bixiga 70 - Quebra Cabeça
BK' - Gigantes
Cacá Machado - Sibilina
Caetano, Moreno, Zeca e Tom Veloso - Ofertório [Ao Vivo]
Café Preto - Oferenda
Carne Doce - Tônus
Cordel do Fogo Encantado - Viagem ao Coração do Sol
Daniel Groove - Levante
Diomedes Chinaski - Comunista Rico
Drik Barbosa - Espelho
Duda Beat - Sinto Muito
Edgar - Ultrassom
Elza Soares - Deus é Mulher
Erasmo Carlos - Amor é Isso
Félix Robatto - Guitarrada para Bebês
Gal Costa - A Pele do Futuro
Gilberto Gil - OKOKOK
Gui Amabis - Miopia
Heavy Baile - Carne de Pescoço
Iara Rennó - Iaiá e Os Erês
Illy - Vôo Longe
Inquérito - Tungstênio
Juliano Gauche - Afastamento
Karol Conká - Ambulante           
Kassin - Relax
Laura Lavieri - Desastre Solar
Luiza Lian - Azul Moderno
Mahmundi - Para Dias Ruins
Marcelo Cabral - Motor
Maria Beraldo - Cavala
Mauricio Pereira - Outono no Sudeste
Mestre Anderson Miguel - Sonorosa
Mundo Livre SA - Dança dos Não Famosos
Pabblo Vittar - Não Para Não
Quartabê - Lição #2: Dorival
Raphão Alaafin - A Gosto
Rodrigo Campos - 9 Sambas
Romulo Fróes - O Disco das Horas
Saulo Duarte - Avante Delírio
SDDS - SDDS
Silva - Brasileiro
Solveris - Vida Clássica
Tatá Aeroplano - Alma de Gato
The Universal Mauricio Orchestra - The Universal Mauricio Orchestra
Totonho e os Cabra - Samba Luzia Gorda
Verônica Ferriani - Aquário
Wado - Precariado