quarta-feira, 14 de outubro de 2009

letra/música #1

mais uma seção fixa pro blog e uma espécie de exercício pessoal. faz um tempo, não sei bem quanto, que deixei de prestar atenção nas letras das músicas (brasileiras, mais precisamente). pra mim, o vocal virou um outro instrumento e a letra deixou de ser um fator decisivo pruma música ser boa ou não (se a letra for boa, tanto melhor, é um plus a mais, tá ligado). mas é claro que letras boas continuam existindo, persistindo, e quando uma me chamar atenção - independente de sua idade ou procedência - colocarei aqui. só não esperem aqueles clássicos de sempre. todo mundo tá careca de saber que paulinho, tom, vinicius, caetano, tom zé, chico, noel, caymmi e outros quetais são fodões para toda eternidade. seguirei pelos lados b, c, d... e começo com uma jovem conterrânea, karine alexandrino, e uma música passional de seu segundo disco (querem acabar comigo, roberto, 2004).tenho febre, mas vou buscar nosso dinheiro
(karine alexandrino e dustan gallas)

voce diz: vai demorar
desaprendi
como era antes de você
como era antes de você chegar

caminho tanto
corro tanto querido
não temas
se devoro, rasgo, quebro, destruo
eu só estou un poco confusa

minha calamidade - sua ausência
minha fortuna é um sonho seu que faço crescer

não durmo há dias
deitada em minha cama
tenho febre
penso no dinheiro
que vou buscar
para comprar suas horas
suas horas


2 comentários:

Anônimo disse...

Grande Dafne, dei uma de Cabral e procurando as Índias dei de cara com esse teu novo espaço.
Não sei se lembras, mas andei falando contigo há algum tempo.
Tudo certinho?
Cara, quanto ao teu post, sem dúvida vivemos um outro momento, a música/timbres nunca foi tão valorizado.
O excelente Vagarosa da Céu é um exempo disso, né?
O Cidadão Instigado, tb.
Já Marcelo Camelo é um exemplo oposto.
Eu concordo com o Alex Antunes, dá uma sacada nessa crítica dele sobre o novo do Lucas Santana.
A valorização da letra nunca vai morrer.
http://www.rollingstone.com.br/guia/cds/3902/
Tem muito a ver com o post.

PS: Sim, mas, a pergunta que não quer calar. Onde estão as formosas indiazinhas? hehehe :>)

Abraço
Jose Henrique

dafne sampaio disse...

aê zé henrique, tudo bão rapaz?
tava vendo os emails e a última vez que nos falamos foi em dezembro, 10 meses atrás. abri esse blog em fevereiro (o gafieiras continua lá).
é claro que gosto de letra boa - e esse 'boa' pode ser de muitos jeitos -, e isso que falei no inicio é um processo totalmente pessoal. parei de prestar atenção, virou tudo meio jazz, meio música instrumental... e não porque acho que a "poesia" morreu. esse disco do lucas é prova (escrevi lá no gafieiras), mas também gosto das letras do cidadão.
desembestei.
bom que cê voltou.
abraço