quarta-feira, 6 de maio de 2009

balaio nacional #1

um dos meus conflitos (pessoais) em relação a música é a dificuldade de se falar sobre tudo que aparece. é muito disco, muita gente, e isso pensando apenas em música brasileira. mas sempre senti vontade de fazer um apanhadão de lançamentos seguido de uma breve descrição. imaginei que poderia ser bacana dar a notícia sobre lançamentos e deixar que as pessoas decidissem pelo que se poderiam se interessar. enquanto o gafieiras está em manutenção vou tentar uma coisa aqui (com o objetivo de fazer uma seção lá). pincei dez discos da pilha, aleatoriamente e sem julgamento algum. vejamos.

>> aquilo del nisso - piratininga (usina brasil/tratore). sexto disco do grupo paulistano que já teve várias formações, mas que está na estrada há 20 anos. os integrantes atuais são celso marques (saxofones e flautas), beba zanettini (piano e teclados), robertinho carvalho (baixo) e alê damasceno (bateria). só o baterista não assina nenhuma das 10 composições do disco, tais como "forrobodó", "praça da sé", "171" e "folia do mestre vitinho".

>> bruno miguel - meu mundo (deckdisc). filho do mestre márcio greyck, bruno também é ator e este é seu primeiro disco, quase todo romântico. tem parceria com o pai ("faz assim"), sérgio natureza & tunai ("frisson"), celso fonseca & ronaldo bastos ("sorte") e outras 10 faixas.

>> gloria (arsenal music/universal). rock jovem e comercial à la rick bonadio, que produziu o disco em parceria com paulo anhaia. 14 faixas, entre elas "inimigo do tempo", "quando tudo terminar" e "diferente de você", com letras de rodrigo koala (hateen/street bulldogs). a curiosidade fica por conta do crédito no encarte à fonoaudióloga da banda (cassiane zwaretch).

>> ivan lins - ivan lins & the metropole orchestra (biscoito fino). registro do segundo encontro, em julho de 2008, de ivan com a orquestra holandesa regida pelo norte-americano vince mendoza. estão lá clássicos ivanísticos como "daquilo que eu sei" e "começar de novo", um arranjo de andré mehmari para "a gente merece ser feliz", um cantora holandesa (trijntje oosterhuis) e outras globalizações. 11 faixas.

>> markko mendes - sambasoulpopgroove (hum batuque). produzido pelo dj hum, o disco marca a estreia do guitarrista, compositor e cantor paulistano. apenas canções inéditas que vão na mesma vibração dos ídolos tim maia, prince e earth, wind & fire. 14 faixas, entre elas as auto-explicativas "samba soul", "no balanço da nega", "flerte" e "sente o groove".

>> nenê cintra - minha embaixada chegou (pôr do som/atração musical). uma das integrantes do grupo vésper vocal, nenê lança seu segundo disco solo com o objetivo de se mostrar mais como intérprete (entre as 14 faixas, apenas 1 é de sua autoria, "samba de yara"). no mais, chico buarque ("o futebol"), paulinho da viola & hermínio bello de carvalho ("timoneiro"), dorival caymmi ("dora"), ary barroso ("faceira"), noel rosa & vadico ("feitiço da vila") e assis valente ("minha embaixada chegou" e "brasil pandeiro").

>> paquito - bossa trash (independente). segundo disco solo de um baiano avis rara. entre bossas melancólicas, blues e sambas de rodas minimalistas, paquito assina 11 faixas inéditas (apenas uma, "bossa trash", é parceria, e com arto lindsay). participações de jussara silveira e bruno fortunato (kid abelha).

>> paula faour - e a música de marcos valle & burt bacharach (biscoito fino). pianista e arranjadora de renome, faour abraçou neste disco uma idéia do primo, jornalista e pesquisador rodrigo faour. junto "do you know the way to san jose" com "samba de verão" e assim por diante em 10 faixas. entre os músicos, carlos malta, sérgio barrozo, gilson peranzzetta, jessé sadoc, aldivas ayres e o próprio marcos valle.

>> quasimodo - na hora! (independente). banda com 15 anos de estrada e que se transformou em sinônimo de covers espalhafatosos, climão de festa e roupas coloridas. este disco de 11 faixas é o primeiro de canções autorais (exceção a "grilo na cuca" de carlos imperial e "fórmula do amor" de leoni e léo jaime). no repertório próprio, canções como "muerte for free", "eu sou mais eu", "sempre na cozinha" e "everybody kisses".

>> victor biglione - uma guitarra no 'tom' (delira música). um grande guitarrista e 10 tiros certos de tom jobim, tais como "ligia", "fotografia", "água de beber", "só danço samba", "chovendo da roseira" e "vivo sonhando". ao lado de biglione, sérgio barrozo (baixo) e andré tandeta (bateria).

2 comentários:

sterzi disse...

mano, to tão por fora que a única coisa que a única que eu conheço é quasímodo, e nem gosto. heheeh. mas é que eu não gosto de mpb né hahahah

dafne sampaio disse...

mas confesso que ouvi muito pouco desses discos... só queria mesmo "dar a notícia" sem frazer crítica (porque seria leviano, no mínimo). ê vida dura.