sábado, 30 de maio de 2009

olhando para trás

filme estranho e instigante esse land of look behind (1982). nunca tinha ouvido falar nem dele, nem de seu realizador, o americano alan greenberg, e acabei sabendo de seu lançamento em dvd nos eua pelo site documentaryfilms. a versão que consegui nos torrents da vida vem com legendas em inglês, dois curtas sobre os bastidores, o trailer e a trilha sonora (pausa para o habitual assombro virtual – jamais assistiria/teria acesso a esse filme se não fosse a internet, fato).

taí outro filme que não possui uma tese, não procura respostas e, conseqüentemente, não as encontra (quer dizer, pelo menos não do jeito “jornalístico”). as viagens pelo interior da jamaica, feitas em maio e julho de 1981 logo após a morte precoce de bob marley, procuram faces distintas do movimento rastafari, desde as oficiais até as mais chapadas, passando até rapidamente por um certo rastafarianismo feminista. bem no início, um agricultor diz assim: “essas rãs passam a vida inteira dentro dessas plantas. tem também as que vivem embaixo das pedras, só que essas tem outras cores. existem muitos tipos de rã. não apenas uma, duas, três ou quatro, mas muitas. os cientistas vem aqui e as estudam”. e lá estão, por exemplo, alan greenberg e o câmera jörg schmidt-reitwein (de filmes como o enigma de kaspar hauser, nosferatu e woyzeck, todos de werner herzog, uma espécie de padrinho do filme e de greenberg) fazendo o mesmo com o povo jamaicano, mas não com olhos de cientistas.

o cineasta já conhecia bob marley de outras viagens ao país e quando o artista morreu, aos 36 anos, sua família o chamou para fazer um documentário. no entanto, land of look behind quase não trata de bob, apesar de algumas cenas das cerimônias de velório e enterro, da comoção popular. é mais sobre alguns mistérios e estranhamentos com essa terra de espiritualidade sob cortinas de fumaça, pobreza agressiva e música vibrante (participações de gregory isaacs e lui lepki, além de alguns petardos de bob, tais como “natural mystic”, “time will tell” “sun is shining” e “crisis”). olha o trailer do dvd.



pra finalizar: este é o primeiro filme de alan greenberg, que trabalhou com cineastas como bernardo bertolucci (no épico 1900) e o próprio werner herzog (em coração de cristal e nos roteiros de
cobra verde e fitzcarraldo). atualmente vem tentando viabilizar a produção do longa love in vain, roteiro seu já publicado em livro e baseado na vida do bluesman robert johnson.

2 comentários:

Mari Varella disse...

tirando a música, parece interessante...

dafne sampaio disse...

mari ô mari,
seu mundo, sua vida, vai melhorar na hora que perceber como o reggae pode ser bom e bonito.