segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

tá com medo do arroz?

sou fã do larica total. quem me conhece, sabe. e carolina que o diga, afinal já tá com saco na lua de me ver incorporando o paulo de oliveira (paulo tiefenthaler). o que posso fazer? é mais forte do que eu. chego a colocar um alerta nas noites de sexta pra não esquecer quando o programa passa no canal brasil. vício pesado. enfim, desde outubro, quando o programa estreou, já foram exibidos 18 dos 24 episódios previstos pra essa primeira temporada. e agora, o texto que fiz pra monet de novembro de 2008, com fotos e tudo o mais (vô dizer, acho que fui o primeiro a falar sobre o larica na "grande imprensa", hehehe). o paulo tiefenthaler tava em são paulo editando umas das partes da saga os sertões do zé celso martinez corrêa numa produtora no pacaembu. conversa boa e deu pra ver que muito dele tá no paulo de oliveira.

COMIDA KUNG FU

Você é solteiro? Solteira? Mora em república de estudantes? É desquitado? Ficou pra titia? Tem medo de fazer arroz? Pavor de panela de pressão? Pois então, seus problemas acabaram, ou pelo menos parte deles. Está no ar
Larica Total, nova série do Canal Brasil apresentada por um tal de Paulo de Oliveira que promete desvendar os segredos e mistérios de uma cozinha de guerrilha. Pense em um Jamie Oliver sem eira e nem beira que faz pratos rápidos com o que tem na porta da geladeira. Assim é Paulo, criação do ator suiço-carioca Paulo Tiefenthaler.

Pouco conhecido fora do circuito teatral carioca – ele já trabalhou com Hamilton Vaz Pereira, Antônio Abujamra e Domingos de Oliveira -, o ator chegou ao programa por acaso. “A idéia original surgiu em 2006 com o Terêncio Porto e a Adriana Nolasco. Eles são casados e tem uma produtora que faz curtas e documentários. Tiveram esse estalo de criar um programa sobre uma cozinha rápida, do dia-a-dia. O termo ‘larica’ vem da fome da maconha, mas é uma palavra bem mais antiga. Até me perguntaram se pode colocar esse nome na televisão! Claro que pode, ainda mais que nosso programa é quase de criança, né?”, explicou durante uma breve passagem por São Paulo.

Tiefenthaler fez um teste para o papel e foi tão bem sucedido na improvisação que os cacos criados no dia rapidamente se transformaram em marca registrada do solteirão convicto. “O Paulo tem muita inspiração no meu pai. Minha mãe cozinhava pra 20 pessoas e deixava tudo impecável. Meu pai fazia pra uma e sujava tudo. Ele tinha esse espírito palhaço de quebrar a rotina. Outra inspiração foi meu primo Horácio que era mais velho que eu e vivia na praia porque era guia turístico. Vivia correndo atrás de gringo para vender pacotes. Ele era muito bonito e parecia milionário, mas era um duro. Tinha uma disposição, uma cara-de-pau que poucas vezes vi na vida”. Com estas e outras figuras na cabeça, o ator criou um personagem tão debochado quanto camarada e que já vem fazendo sucesso na internet com sua receitas infalíveis de arroz, macarrão alho e óleo, yakisoba e de um muito suspeito e totalmente genial frango total flex.

“Tenho essas misturas na minha cabeça. Tudo isso precisava sair alguma hora de dentro de mim. Na verdade esse personagem começa comigo, mas não sou isso o tempo todo. É um personagem que trago editado dentro de mim porque muita coisa vem na hora mesmo”. Quando esta entrevista foi feita era início de novembro, 12 dos 24 episódios da primeira temporada já estavam prontos, e todos da equipe aproveitavam para aumentar a biografia do personagem no site oficial do programa. De uma hora para outra, Paulo de Oliveira era formado em Veterinária, mas sem nunca ter exercido, e sobrevivia alugando buggys (bugres) para turistas. “Não quero congelar o personagem porque ele ainda está em construção. Agora tem que jogar pros leões, amadurecer, encontrar outros personagens, mudar de cenários porque a veia cômica do programa vem muito da rua, do cotidiano. Queremos sofisticar esse cara dentro da loucura dele”.

Louco que só ele, Tiefenthaler também se desdobra esfomeado nas funções de diretor (o premiado curta documental
Jorjão, de 2004, sobre um dos mais famosos mestres de bateria do Rio de Janeiro) e editor (participou das primeiras edições do Big Brother Brasil e atualmente finaliza parte da saga Os Sertões, adaptação teatral de Zé Celso Martinez Corrêa da obra de Euclides da Cunha, a ser lançado em DVD). E você? Tem fome de quê?

3 comentários:

deboinha disse...

Larica Total é muito roots. A interpretação do Paulo parece meio tiozão de boteco-meio tiozão solteiro. Eu que sou estudante de gastronomia boto muita fé nos ensinamentos dele. Coisa prática e simples pro dia a dia.

Faloures!

Caito disse...

Os videos estão com os links antigos, que foram removidos. Aqui tem a playlist nova e completa:

http://www.youtube.com/view_play_list?p=A894BC0A8121788E

dafne sampaio disse...

putzzz, genial. valeu demais caito. e pra quem não sabe, caito é caito mainier, um dos diretores do programa.